São estes os momentos em que podemos (temos de) ir all-in no poker:

  1. Quando temos a melhor mão e queremos aumentar o tamanho do pote.

  2. Fizemos um grande bluff e esperamos que o nosso adversário desista.

  3. Quando precisamos desesperadamente de aumentar a nossa pilha de fichas num torneio.

  4. Como técnica de bullying para ficar com as blinds de um jogador que faz muitas vezes fold.

 

Descubra o significado do termo "All-in” no poker. Iremos também verificar quando é correto arriscar todas as suas fichas.

  • Perguntas e Respostas - Estratégia All-in
  • Regras Poker All-In
  • All-ins no Poker – Quando se Comprometer Poker
  • All-Ins – Variáveis Relevantes a Considerar 
  • Estratégia Poker All-in (Resumo)
  • O que é o All-in?
  • Explicação
  • Aplicação de Estratégia
  • Linhas de orientação
  • All-ins e as mãos mais loucas no Poker
  • Conclusão

Leia atentamente este artigo visto que iremos abordar as alturas que deve entrar com tudo, empurrando as suas fichas e... all-in para o pote.
           
Uma das perguntas mais frequentes é quando se deve ir all-in nos jogos de poker. No entanto, é também uma das mais complicadas de responder já que existem várias maneiras de de colocar as fichas no meio da mesa. Vamos abordar alguns princípios gerais à medida que iremos abordar alguns cenários mais específicos...

Perguntas e Respostas - Estratégia All-in

 
Pergunta 1: O que significa jogar all-in no poker?

Ir all-in no poker significa colocar todas as fichas restantes no meio do pote. Tal pode acontecer quando fazemos uma aposta ou pagamos uma aposta do nosso adversário...

Pergunta 2: Como funciona de facto o all-in no poker?

Os jogadores nunca podem investir mais do que o que está atualmente no seu stack. Se o nosso adversário no heads-up tem menos fichas do que nós e fazemos call no seu all-in shove, ainda assim é descrito como "all-in", apesar do facto de termos tecnicamente algumas fichas deixadas para trás.

Pergunta 3: Porquê fazer o all-in no poker?

Duas razões principais. Ou temos a melhor mao e queremos aumentar o tamanho do pote, ou estamos com um grande bluff e esperamos que o nosso adversário desista.

Pergunta 4: Quando devemos ir all-in no poker?

Quando enfrentamos um all-in, a única coisa que importa são as probabilidades de pote que temos quando pagamos. Como agressor, estaremos a empurrar all-in porque temos uma mão forte ou porque achamos que o nosso adversário está a desistir com muita frequência.

Pergunta 5: Quando devemos fazer all-in num torneio?

Existem regras ligeiramente diferentes nos torneios em comparação com os cash games. Dependendo da estrutura de pagamento do torneio, pode ser correto desistir um AA no pré-flop em certos cenários. Dando uma explicação pouco complexa, quanto menor a nossa pilha, menor o requisito de mão para o all-in.

 

Antes de avançarmos, vamos apenas clarificar algumas das regras poker no que diz respeito a situações de all-in.

Regras Poker All-In:

Regra #1 – Stakes da Mesa –  A regra das stakes da mesa diz que um jogador não pode ser forçado a apostar mais do que trouxe para a mesa. No passado, pode ter sido possível para jogadores mais ricos intimidar os jogadores mais pobres ao apostar quantias tão grandes que ninguém seria capaz de pagar, mesmo que quisesse. Uma recusa em pagar seria considerada o equivalente a desistir, ficando o jogador rico ainda mais rico.

Atualmente, mesmo que o nosso adversário coloque $1.000 e tenhamos apenas $50 restantes no nosso montante, temos a opção de pagar. É claro que só podemos ganhar $50 do montante do nosso adversário, mas ele já não nos pode forçar a sair do pote apostando uma quantia que fisicamente não podemos pagar devido à falta de fichas.


Regra #2 – Os potes secundários - Estes foram criados exclusivamente perante múltiplos cenários, onde um jogador está com all-in, mas os restantes jogadores estão na luta por fichas adicionais.

Imaginemos um all-in triplo entre os seguintes jogadores.

Jogador A - stack de $25
Jogador B - stack de $100
Jogador C - stack de $200

Observe primeiro que o jogador C só pode investir $100 nessa mão. Ninguém tem fichas suficientes para lhe dar ação pelos $100 restantes. Perante um ambiente de poker online, ele ainda pode colocar os $200 no meio, mas os $100 adicionais são irrelevantes e não influenciarão a ação.

O jogador A está apenas a investir $25, o que significa que ele só tem direito a ganhar $25 pelas stacks de cada um dos seus adversários. Qualquer aposta acima desse valor ocorrerá como parte de um pote secundário.

Para ver como isto funciona, vamos imaginar que o jogador A tem a melhor mão, o jogador B tem a segunda melhor mão e o jogador C tem a pior mão.

Jogador A - AdAs
Jogador B - KdKs
Jogador C - QdQs

Board: Js7d5s2h2c

All In Poker

Se ignorarmos os $100 extras do jogador C, a quantidade de fichas no meio é de $225. $75 deste montante é o pote principal ($25 de cada jogador). Os restantes $150 ($75 do jogador B e C) perfazem um pote secundário que somente o jogador B ou C pode ganhar...

O jogador A tem a melhor mão; ele ganha o pote principal de $75.
O jogador B perde o pote principal para o jogador A, mas vence o pote secundário contra o jogador C com $150.
O jogador C não recebe nada (além dos seus $100 extra de volta).

 

All-ins no Poker – Quando se Comprometer

Agora que já cobrimos as regras, vamos falar sobre estratégia. Vamos descrever algumas regras gerais para colocar o nosso stack em all-in.

Enfrentar um all-in: No que diz respeito a enfrentar um all-in do nosso adversário, o conceito mais importante são as probabilidades do pote. Se não estivermos familiarizados com as probabilidades do pote, é uma excelente oportunidade para se procurar algum material sobre o assunto. A ideia principal aqui é que não precisamos ser um favorito estatístico para fazer call num all-in do nosso adversário.

Já existem algumas fichas no pote, então é matematicamente correto chamarmos um all-in mesmo como underdog. Se houver um grande número de fichas no meio, não há problema em ser um underdog. Se houver uma quantidade muito pequena de fichas no meio, é vital que sejamos apenas um pequeno underdog quando fizermos o call.

Para os jogadores de torneios de poker, as coisas às vezes podem ser um pouco diferentes. É possível obter as probabilidades do pote num call, mas o call pode ainda assim ser incorreto devido a considerações ICM. Às vezes, é mais importante conservar o nosso stack com base na estrutura do torneio. Os jogadores de torneios devem procurar informações sobre "ICM" a fim de melhor entender como isso afeta as suas decisões de para call.

Efetuar um All-in - Como explicação algo rudimentar, ser o agressor no poker é melhor do que ser aquele que faz call. Quando empurramos as fichas como agressor, há sempre a possibilidade do nosso adversário desistir. É uma combinação da nossa equidade de fold e equidade de pote, quando recebemos o call que determina a nossa expectativa. Não existe um cálculo simples para isso, mas podemos aumentar a nossa eficiência aqui ao aprender a executar cálculos EV e utilizando um software de poker de construção como o Cardrunners-EV.

É particularmente lucrativo explorar jogadores que "foldam" demais. Um jogador que paga muitos all-ins nas rondas anteriores é indubitavelmente explorável, mas está um pouco protegido pelo facto de que conseguir sempre realizar plenamente a sua equidade.

Um exemplo disto pode ser visto ao considerar o shove 5bet pré-flop com stacks efetivos de 100bb em cash games. Se o nosso adversário nunca "foldar" para 5 apostas, geralmente podemos expandir um pouco o nosso range de interferência. Na posição final, às vezes tal pode significar que podemos adicionar mãos tão fracas como 88 ou AJs ao nosso range de bloqueios contra uma 4bet de 25bb. (Depende naturalmente do largura do alcance da 4bet do vilão).

No entanto, quando o nosso adversário começa a desistir visivelmente mais de 50% das vezes para a nossa 5bet, chegamos rapidamente à fase onde é certo colocar uma 5bet a quaisquer 2 cartas ao enfrentar uma 4bet. Portanto, em muitos casos, podemos aumentar as stacks contra alguém que desiste demasiado do que contra alguém que paga (calls) demais.

All In Poker

 

Poker All-Ins – Variáveis Relevantes a Considerar

Obviamente que existe mais envolvido do que simplesmente considerar quem é o agressor e quem é o caller. Vamos agora, listar algumas das outras variáveis importantes para decidir se devemos envolver o nosso stack.

- Stacks efectivos e SPRs 
- Tipo de adversário
- Ação anterior
- Força relativa da mão

Stacks Efetivos e SPRs - O tipo de mãos que escolhemos fazer all-in será fortemente afetado pelos stacks efetivos. Quanto mais profundas forem os stacks efetivos, mais forte terá de ser a nossa mão para conseguir ir all-in.

Com stacks efetivos de cerca de 20 a 30bb, raramente se considera correto desistir para qualquer par superior. Se o nosso adversário tiver em mente o all-in, normalmente devemos seguir com a nossa mão. Regras semelhantes podem ser aplicadas a outras mãos. Em stacks de cerca 40-50bb, geralmente será incorreto desistir a qualquer overpair. Em stacks abaixo de 100bb, não é habitualmente certo desistir com sets. A profundidade do stack pode, portanto, ajudar a formular um guia aproximado sobre as decisões de envolvimento.

SPRs ou "rácio stacks-pote" são ligeiramente diferentes da profundidade do stack. Os SPRs descrevem a proporção de fichas no pote para as fichas nos stacks efetivos. (Por exemplo, se tivermos $400 no nosso stack e houver $100 no meio, teremos um SPR de 4).

Estes fornecem um modelo para as decisões de envolvimento, que levam em consideração o quão “inflacionado” o pote está no flop. Podemos ser capazes de nos afastar do TPTK (top pair-top-kicker) num pote com raise único onde o SPR é alto (cerca de 15). No entanto, pode ser incorreto afastar-se do TPTK num pote de 4 apostas onde o SPR está na região 1.5 - mesmo que possamos ter stacks efetivos idênticos nos dois cenários.

Outra maneira de se expressar este conceito é a seguinte: quanto maior o número de fichas que investimos no pré-flop, menos correto será o fold no pós-flop. Veja-se o exemplo do squeeze poker.

Tipo de Adversário - Não queremos tomar decisões de compromisso com base apenas no SPR e no tipo de mão que temos. O poker é um jogo de pessoas, e as nossas decisões all-in devem ser fortemente ajustadas com base no tipo de adversário que estamos a enfrentar.

All in Poker

 

Se o nosso adversário for excepcionalmente tight e só conseguir stacks com mãos extremamente sólidas, devemos ter muito cuidado em pagar o all-in dele. Uma certa mão até pode parecer um all-in correto, com base no nosso conhecimento de SPRs, mas devemos sempre manter a capacidade de ignorá-lo e tomar a melhor decisão de exploração.

Como mencionado anteriormente, as decisões agressivas com all-in são bastante úteis se o nosso adversário desistir com muita frequência. Mesmo que ele pague com muita frequência contra shoves, podemos explorar isso ao ampliar o alcance de mãos de poker que usamos como shoves de valor. No exemplo da 5bet que considerámos, não foi possível expandir significativamente o nosso alcance de 5bet contra um adversário que não desiste.

Este facto ocorreu porque: a) assumimos que seu range de 4bet é razoável e b) ele tem mais equidade pré-flop do que teria nas rondas posteriores. Expandir o nosso alcance de shove-valor torna-se consideravelmente lucrativo nas rondas posteriores, onde o nosso adversário tem menos equidade para considerar.

Tal situação é ainda mais real no river, onde o nosso adversário pode contentar-se em pagar uma ampla variedade de mãos ações com equidade-zero contra um jam. (Equidade zero porque a pior mão nunca pode melhorar depois da carta do river ter sido distribuída).

Ação anterior - Alguns all-ins detêm mais força do que outros. Será sempre benéfico analisar, da melhor forma possível, se a linha do nosso adversário se verifica. Ele tem a mão que está a representar? A nossa capacidade de descobrir isso vai aumentar à medida que nos familiarizarmos com as diferentes tendências exibidas pelos jogadores.

Por exemplo, uma pergunta comum que muitos jogadores fazem é se pode desistir-se com overpairs em potes de 3bet com stacks efetivos de 100bb. Uma razão pela qual a pergunta é tão predominante é porque não há uma resposta simples de "sim" ou "não". Depende de muitas variáveis.

Uma dessas variáveis é o tamanho do raise do flop do nosso adversário depois de apostamos no flop. A análise aos jogadores mostra uma forte tendência em relação a pequenos aumentos no flop, sendo mais fortes do que os shoves em all-in no flop. Muitos jogadores podem não perceber isto sem o conhecimento do ambiente. Afinal de contas, parece lógico supor que, em média, um raise superior é sempre mais forte que um raise menor.

Assim, pode muitas vezes ser correto fazer call no nosso overpair contra um flop jam, mas considerar desistir do nosso overpair em algum momento antes do river depois do nosso adversário utilizar a pequena linha de raise no flop....obviamente, a resposta ao estilo GTO é um pouco diferente. De acordo com o poker da GTO, basicamente nunca devemos desistir de overpairs em potes de 3bet com stacks efetivos de 100bb. De qualquer modo, tal factor importa relativamente pouco. Deveríamos estar interessados principalmente em gerar explorações fortes com base no nosso conhecimento do que as diferentes linhas representam.

Força relativa da mão - Seguir algum tipo de sistema de compromisso baseado na força absoluta da mão pode ser problemático. Por exemplo, imagine que existia uma regra all-in em que nunca desistíamos dum set com stacks efetivos de 100bb.

Observe a seguinte mão:

Board: JhTh9hQc
Mão: 9d9s

É verdade que temos um set, e pode ser verdade que estamos a jogar com menos de 100bb efetivos. No entanto, devemos ser capazes de ver de imediato que existem alguns problemas sérios com o nosso set nesta textura de board.

Apesar da força absoluta da nossa mão ser forte, esta é extremamente fraca no sentido relativo. Existem várias maneiras diferentes de dominar o nosso set, e devemos ser capazes de evitar confrontos all-in, apesar da nossa relutância geral em desistir de um set com 100bb efetivos.

Noutros pontos, a nossa força absoluta de mão pode ser algo fraca, mas a nossa força absoluta na mão é significativamente mais forte. (TPTK numa textura seca, por exemplo). É essencial considerar cuidadosamente a nossa força relativa das mãos ao tomar decisões de all-in. 


Estratégia Poker All-in (Resumo)

All in Poker

 

Eis um pequeno resumo de todos os pontos que abordámos:
 

Razões para um Stack mais solto

Razões para um Stack mais reservado

SPR é baixo

SPR é alto

Stacks reduzidos

Stacks elavados

Força relativa de mão decente

Força relativa de mão fgraca

Podemos avançar como agressor

Temos de avançar com o call

O nosso adversário é loose

O nosso adversário é tight

O nosso adversário faz call ou fold demasiado

O adversário defende-se bem contra a agressão.

A linha do nosso adversário parece fraca

A linha do nosso adversário representa força

All in e o One Time

O All in é acima de tudo uma jogada arriscada, um momento em que pretendemos arriscar tudo por um retorno maior do que o habitual. Ninguém escolhe fazer all in para ganhar apenas as blinds a não ser que estejam a participar num torneio e a sua pilha esteja pequena o suficiente para os fazer arriscar. Um destes momentos, improváveis, em que decidimos que tudo vale a pena arriscar, é apelidado de “One Time”. Este termo muito utilizado em torneios de poker, repetido por alguns dos maiores profissionais de poker de todo mundo, tornou-se tendência precisamente por resumir todo o esforço, todas as horas na mesa, tudo num único momento. O momento One Time ocorre geralmente com o All In e é o momento em que o jogador reza a todos os Santos para que a sua mão seja a vencedora contra todas as probabilidades. Já o vimos várias vezes durante o World Series of Poker e vamos certamente continuar a ouvi-la em mesas de poker internacionais.
 

O que é o All-in?

All-in ? All-in é um aposta que se faz onde todas as fichas vão a jogo ao colocá-las no pote.

Exemplo de utilização ? “Tinha uma mao forte por isso decidi fazer all-in por cima da aposta dele”

Explicação

Apesar de ir “all-in poker” e as fichas serem colocadas no centro, tal não significa necessariamente que estas estejam todas em risco. O montante exato de fichas a ser apostado será definido pelos stacks. Por exemplo:

Jogador A e Jogador B, ambos vão all-in no flop.
Jogador A tem $50 enquanto que o Jogador B tem $100.

Apesar do jogador B ter colocado os seus $100 no centro, só está a arriscar $50 do seu stack porque é este o montante que o jogador A consegue cobrir. Apesar de podermos descrever o jogador B como “all-in”, tal não significa que o seu stack por inteiro esteja em risco neste caso. Ir all-in não indica necessariamente quem é o agressor, pois tanto é possível subir para all-in como fazer call ao all-in. Irá constatar muitas situações idênticas em 888 poker Portugal em diversos jogos de holdem.

 

Aplicação de Estratégia

Uma questão habitualmente colocada em Portugal é “com que mãos devemos ir all-in no poker?” Existe um problema com a questão; esta é um pouco genérica. Estas decisões dependem dum vasto número de variáveis. No entanto, é ainda assim possível aceitar algumas generalizações sobre se ir all-in é certo ou não..

No papel de Caller

Conceptualizar quando efetuar o call numa aposta all-in do seu adversário é algo bem simples assim que as variáveis mais notórias sejam conhecidas. A mais-valia vem quando se é capaz de uma estimativa precisa sobre essas tais variáveis. Fazer ou não fazer call numa aposta all-in do seu adversário é simplesmente uma consequência direta das probabilidades do pote que temos e o montante da equidade que temos do pote.

Exemplo

Encontram-se $100 no centro durante o river. O seu adversário observa as cartas e entra com tudo em all-in nos últimos $50. É expectável ganhar esta mão 30% das vezes ao fazer call. Seria então lucrativo o call aqui?

Um principiante poderá assumir que esse call seria uma jogada para perder. Afinal de contas, 70% das vezes após efetuar o call, acabamos por perder todo o pote. No entanto, visto que já existe $100 no pote, não precisamos necessariamente ser favoritos ao call para se estar matematicamente correto. Desde que ganhemos mais de 25% das vezes, fazer call será sempre uma opção com mais lucro do que desistir. Para mais informações como tais cálculos podem ser feitos, consulte a entrada de glossário pot-odds.

 

Como Agressor

A decisão de seguir para all-in como agressor no jogo do poker é significativamente mais diferenciada e recai em variáveis extra. Como caller, precisamos somente nos preocupar sobre a equidade do pote. Como agressor, é uma combinação de equidade do pote (ao receber call) e equidade do fold (a frequência com que o nosso adversário desiste) que determina a expectativa (valor esperado) dum all-in. (Note que tal não significa que podemos simplesmente adicionar a equidade do pote e de desistência juntas, como algumas fontes de estratégia tão erradamente assim o sugerem).

Em género de resumo, quanto maior equidade de pote e de desistência tivermos, mais provável a possibilidade do all-in ser a melhor jogada. A relação exata entre a equidade de fold, pote e expectativa pode ser determinada ao executar um cálculo de valor esperado. Para mais informações sobre isto, consulte a entrada de glossário sobre o valor esperado.

Não é necessário ter ambas as equidades (fold e pote), desde que uma das duas variáveis seja suficientemente alta. Por exemplo, se tivermos mais de 50% de equidade contra o alcance do call do adversário aquando do all-in, o nosso all-in apresentará lucro com zero equidade no fold (muitas vezes referido como “valor da aposta”). De modo similar, se o seu adversário está a desistir acima duma certa frequência (referida como "break-even threshold”), o nosso all-in apresentará lucro independentemente de termos qualquer equidade de pote aquando do call (muitas vezes referido como bluff). O break-even point em todos os bluffs all-in está relacionado com a dimensão da aposta utilizada.

Exemplo
Há $100 no centro, durante o river, e fazemos all-in nos nossos últimos $50. Que frequência precisa o nosso bluff para gerar lucro?

All-in

Visto que este é o cenário do river, podemos assumir com segurança que, se o nosso adversário fizer call, ele tem sempre a melhor mão. Por outras palavras, podemos pensar nisso como uma situação em que temos zero equidade de fold.

Os principiantes podem imaginar que precisamos ganhar mais de 50% para que o nosso bluff seja lucrativo. Afinal, se o nosso bluff falhar a maioria das vezes, qual é o objetivo? Mais uma vez, temos de nos lembrar que a quantia que potencialmente podemos ganhar com o nosso bluff é significativamente maior que a quantia que arriscamos ao fazê-lo. No exemplo acima, estamos a investir 33% do pote total (US $50 de $150), o que significa que, se o nosso bluff for bem sucedido em mais de 33% das vezes, o bluff gera um valor esperado mais alto do que o fold..

Linhas de orientação

Depois de jogar num formato específico por um período de tempo, os jogadores começam a desenvolver uma "sensação" de como deviam receber as fichas. Essas decisões all-in serão avaliadas ao considerar variáveis como as seguintes:
- Stacks eficazes. (Controle melhor as fichas quando os stacks são mais limitados).
- O tipo de adversário que enfrenta. (Cuidado ao fazer call em all-ins de jogadores tight, etc).
- A relação Stack / Pote. (Quanto mais dinheiro comprometemos nas rondas de apostas iniciais, menor a probabilidade de desistir nas rondas posteriores).
- Considerações sobre ICM (ao jogar MTTs ou SNGs).

Por exemplo, ao jogar NLHE, raramente é considerado correto desistir de uma mão do tipo par de topo quando se joga stacks eficientes de 25bb ou menos.

 

All-ins e as mãos mais loucas no Poker

As regras do All-in estão nas mãos de cada jogador a todos os momentos da rodada de poker e como já vimos podem ser uma estratégia de forca, intimidação, mas também de desespero para quem a causa está perdida e só tem um all-in para recuperar em posição. Em todos os torneios do mundo tem havido all-ins históricas que nos deixaram boquiabertos, momentos em que os jogadores pedem aos deuses do poker o momento “One Time”, em que contra todas as probabilidades o jogo vira e lhes dá a vitória com a mão de poker mais improvável.

Num dos jogos mais difíceis de todo o mundo, no tão aclamado Word Series of Poker (o nosso WSOP), tivemos um all-in absolutamente épico que ficaria para a história como um dos mais infames Torneios de $10,000 No Limit Hold’em 6-max. Na mesma mesa tínhamos reunidos três nomes incontornáveis que haviam chegado a um momento fulcral, uma final table com Justin Bonomo, Martin Kozlov e Davidi Kitai em que todos queriam levar para casa a bracelete mais cobiçada do mundo! Um frente a frente sem igual, Bonomo segurava 9-9, Kitai tinha 6-6 e ambos all-in, a que se juntou Kozlov com Q-Q que explodiu no flop com Q-Q-7 esmagando qualquer hipótese para os seus adversários. Num passe de mágica digna do WSOP vimos três jogadores all-in num momento de pares improváveis que declarou Martin Kozlov o absoluto vencedor.

Reveja neste vídeo alguns dos momentos mais excitantes e loucos do Poker!

 

Conclusão

Como já vimos, não existem regras rápidas para se devemos comprometer-nos com o nosso stack perante determinada situação. Cada situação precisa de ser avaliadas individualmente com base nas variáveis relevantes, com base nos nossos adversarios, no tamanho da nossa pilha e no momento do jogo em que estamos. Se temos muitas ou poucas fichas, se estamos perto do prémio e dos lugares pagos, se temos realmente o jogo infalível que pensamos ter.

Esperamos assim que tenha compreendido as mais relevantes nuances do all-in no Poker, a sua importância no jogo efetivo, mas também na carga psicológica que é aportada a cada jogada. O coração a bater mais forte, o silêncio antes da tempestade, os nervos à flor da pele numa emoção que dura alguns segundos mas resume a gratidão e ingratidão da sorte ao toque do flop, river e turn.

Sobre o Autor
Por

Os artigos sobre poker que não vai querer perder. Tudo sobre o melhor poker físico e online, em Portugal. Encontrará aqui artigos sobre 888 Poker e os seus torneios e todos os eventos especiais que possam ser do seu interesse. Abordamos igualmente o tópico sobre estratégias de jogo, mãos de poker, dicas vitais para vencer nas mesas, curiosidades, factos e tudo o que se possa relacionar com o poker em Portugal.

Artigos Relacionados
ROI - O Que Significa?

ROI no Poker

O Que é a Donk Bet no Poker?

O Que é Donk Bet?

16 Dicas Essenciais Sobre Apostas para Melhorar o Seu Jogo nas Mesas!

16 Dicas Para Apostar!

Ranges de Mãos de Poker: Domine os Ranges dos Seus Adversários

Poker Ranges - Domine-os!

Omaha - A Segunda Variante de Poker Mais Famosa

Omaha - Saiba Tudo

Gutshot - A Definição e Como os Jogar

Gutshot - O Que É?

O Derradeiro Guia de Estratégia de Poker

Estratégia Poker - O Guia

Como Poker Equity Pode Tornar o Nosso Jogo Invencível

Poker Equity - Jogo Invencível?

Mental Game - O Que é e Como o Treinar?

Mental Game - O Que É?

Top 13 Variantes de Poker para Principiantes

Tipos de Poker para todos os Gostos